terça-feira, 26 de agosto de 2014

18 dicas práticas de quem fez, para quem vai fazer o Caminho!



Um mês depois, atentem no que esta 'sábia' peregrina tem a partilhar de conselhos e dicas práticas, advindos da sua experiência pessoal, para que o vosso Caminho possa correr ainda melhor. Depois de lerem isto, são estes pequenos 'nadas' que durante o Caminho podem representar tudo (ou quase...).


segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Um mês depois...



Há um mês atrás estávamos a sair de Caldas de Reis com destino a Padrón. Era feriado, dia de S. Tiago, e o Caminho estava na reta final. Um sentimento de nostalgia já começava a instalar-se em mim, começando a disputar lugar com o feeling 'enjoy the way' com que partira e me consolara desde o domingo anterior, em que saimos de Ponte de Lima.

Precisei de um mês para deixar a poeira assentar. Foi um mês dificil... Costuma falar-se da depressão pós-férias, mas nada comparado com a real sensação de vazio que se instala em quem regressa do Caminho. Depois de o fazer, que mais resta? Em mim, um buraco negro.


sábado, 19 de julho de 2014

O Caminho chama por nós. E nós vamos!

Falta pouco... muito pouco...

Hoje viajo, com o Ricardo (meu companheiro de vida), a Nancy e o Rui até Ponte de Lima. É de lá que partiremos amanhã, cedinho - o mais tardar 6:00 - para enfrentar a mítica jornada da Labruja. A nós vai juntar-se o grupo com quem partilharei esta viagem interior, composto pela Luísa, pela Aurora, pelo Carlos e (em algumas etapas) pelo Manuel (Nélito). Também irão connosco o Zé Manel (que inicialmente era para fazer todo o caminho), e o seu grupo, mas apenas para subir a serra connosco.

Com eles, não só esta jornada, como todo o Caminho será uma experiência muito mais generosa, colorida e divertida, ou seja, menos penosa. Sou a única 'caloira' do grupo e curiosamente fui eu que 'acordei' neles a vontade, que surgiu em cadeia: em conversa com o 'peregrino' Nélito, um profundo conhecedor dos trilhos (delegado da Associação Espaço Jacobeus em Vila Verde) e que já foi a Santiago de várias formas, não podendo ir a tempo inteiro, vai realizar as etapas de fim-de-semana; ele despertou a 'voz interior' na Luísa, a sua companheira de vida, que já fez há uns anos o Caminho da Costa; a Luísa falou à Aurora e ao Carlos dessa vontade e eles também sentiram o chamamento do Caminho; também falou ao Zé Manel (mas este ano não irá, ficando-se pela Labruja).


quinta-feira, 17 de julho de 2014

Jubileu ou Ano Santo do Jacobeu (em galego, Xacobeo)

Afinal o que é o Jacobeu (Ano Santo) ou Jubileu?

Quando 25 de julho, o dia de S. Tiago, coincide com um domingo, esse ano é determinado como Ano Santo ou Jacobeu, sendo Ano Jubilar. 


25 julho, dia de S. Tiago

A 25 de Julho de 813, Teodomiro, Bispo da provincia romana de Iria Flavia, comprova a descoberta por Pelágio do (pressuposto) túmulo de Santiago Maior, em Compostela (Campus Stelae, nome que derivou da chuva de estrelas que na noite da descoberta do túmulo se terá registado naquela região).


Este ano de 2014, 25 de julho coincide com uma sexta-feira. Nesse dia contamos estar a caminho de Padrón, vindos de Caldas de Reis, numa etapa de quase 20km.

Padrón é historicamente também descrita como o potencial ponto de desembarque da barca que transportou os restos mortais do decapitado apóstolo de Jesus, acompanhado por dois dos seus discípulos, Atanásio e Teodoro.


Fonte: Santiago de Compostela, Mistérios da Rota Portuguesa

quarta-feira, 16 de julho de 2014

2) AVISO: Qualquer semelhança com a primeira etapa é pura coincidência :)

GALERIA COMPLETA

domingo, 13 julho
Albergue Goães - Ponte de Lima
18km

E se em vez de ter regressado a casa, depois dos 18km entre Goães e Ponte de Lima, tivesse ficado no albergue onde fui recolher o último carimbo do dia? Ai que vontade de não regressar... Uma vontade que até doeu mais durante a semana de preparação desta segunda etapa.

Confesso: estive para cometer a 'loucura' na véspera, de acrescentar à mochila, a roupa do corpo, o único ítem obrigatório que faltava adicionar à carga de 65L de capacidade máxima da minha mochila. 'Arrumava' a questão com uma semana de antecedência.

Chama-se a isto o quê? O Caminho a 'berrar' impacientemente pelo nosso nome? Ou antes falta do que fazer na vida? A segunda opção, não me parece plausível. Assumo, há longa data, sérios conflitos para gerir a variável 'tempo'... Se tenho ganho tempo extra, rapidamente arrumo uma tarefa para o ocupar. Mas poderia explicá-lo antes como uma ansiedade crescente em mandar tudo 'respirar fundo' e mudar de vida, pelo menos, durante uma semana.

Acho que voltei a encontrar o Caminho...

segunda-feira, 7 de julho de 2014

1) O Caminho faz-se... Contemplando

Galeria completa

domingo, 6 julho
Sé de Braga - Albergue Goães
18km

Vou começar pelo fim: cheguei a casa e 'morri' na cama. 'Marinheiro de primeira viagem', é a expressão ideal para se me aplicar. 'Morri' extenuada fisicamente, mas 'ressuscitada' espiritualmente. O final desta jornada de 'míseros' 18km, provou-me que estou no Caminho certo e este é o Caminho.

A loucura de o percorrer sozinha, afinal não é mais que uma sensata e assertiva posição. Cada um é que sabe o caminho que quer (precisa) de fazer. E as razões por que senti o chamamento, ainda continuo por desvendar. A 'parvalheira' da contemplação é afinal um paraíso ao meu alcance, a proximidade maior que consigo ter do paraíso, sem necessitar de morrer e passar pelo julgamento final, na crença católica.